sexta-feira, julho 07, 2006

Mudar de Farda

Já que o Duarte deu a ideia de pensarmos no assunto "FARDAS" eu já pensei em algo que poderá ser, de facto, arrojado. É bom que a direcção junte uns trocos porque os "modelitos" em causa não poderão ser feitos no "caiador" (estilista...perdão alfaiate de renome da nossa terra), nem pensem que é só chegar à "feira dos tecidos" e escolher o pano!
Já vi alguns catálogos (já sairam os de Primavera/Verão 2007), e sinceramente as propostas são aliciantes!
Deviamos mudar acima de tudo o tom da farda...actualmente temos o azul escuro (o que é bom porque há pessoal que já não lava as fardas há algumas épocas porque não se vê o sujo), mas na minha opinião deviamos optar por cores mais alegres, mais vivas, que dêm outro colorido Às festas. O verde está muito na moda, e combinado com um amarelo canário ficaria muito bem....mas pronto para ser mais convencional sugiro cores dentro de tons menos arrojados mas que se distingam!
Outro pormenor importante é o boné...as meninas não gostam de usar mas na minha opinião ficam muito bem..podiamos optar por uns iguais aos da GNR pois são muito chiques!
As gravatas essas devem ter padrões, não serem totalmente lisas senão perdem a graça e dá mesmo vontade de fazer delas guardanapos. Acho que existem padrões interessantes, pautas musicais, ou até mesmo o logotipo da banda bordado nas suas cores originais. Que dizem ah?
Nas novas colecções a cor branca também predomina, o que não seria mau de todo, pela pureza que transmite...pena é que ia ser problemático, os fios dentais de cor preta, as cuequinhas Às flores e com bonequinhos tinham que ficar em casa!
Depois há outro pormenor importante, devemos ter uma farda de cerimónia (para concertos na Casa da Musica) e outra para eventos mais convencionais (festas com muito pó), assim como não esquecer que não podemos optar por fardas em "tirilene" senão o pessoal abafa com o calor!
Contudo, o mais importante é que as medidas sejam bem tiradas e se deixem uns centímetros de manobra porque Às vezes existem problemas nos programas de lavagem das máquinas e as fardas têm tendência a encolher!!(sim...o problema é realmente esse)
Bom deixo-vos algumas das minhas sugestões, irei consultar outros especialistas da área (descansem que não será o "caiador") e é bom que se pensemos a sério neste assunto porque quando as costuras começarem a rebentar uma por uma eu quero ver!!!

3 comentários:

o oman k fala 2 vezes disse...

No começo, os musicos desgastaram geralmente a roupa tradicional de um laborer de S.Bartolomeu. Podiam não ter recursos para mais. Se viessem de Fatima Lopes, por exemplo, desgastariam provavelmente as camisas brancas do algodão e as calças, chapéus de palha largos-brimmed, e sandals ou possivelmente xanatas. Sentiram pouco concernir aproximadamente se sua roupa combinou dentro de um ensemble. Na vigília do patriotismo levantando-se da nação após a volta,(o mundial) os musicos começaram a pensar de sua roupa como emblematica e com orgulho nacional. Começaram a vestir-se nos trajes uniformes, modestos no início. De enquanto prosperavam, giraram para calças finamente costuradas, combinando do confortável-encaixe e os revestimentos curtos e curvos sem utilizar tamahos abaixos do necessário(fora a NELA)ornamentados com fitas azuis , laços de curva grandes (monos), bem-feitos do tornozelo sombreros -- o estilo do vestido o ranchero rico ou charro (um horseman mexicano), A farda da banda transformou-se numa declaração de liberation e de democraciaa ver o que saíra daqui para a nossa proxima fardeta como diria o "lino" e que não a(morote)

Manuela Cunha disse...

bem....este "man k fala 2 vezes" percebe imenso de moda...
Gostei!!

o Man k fala2 vezes. disse...

SRª Doutora já não acha um discurso barroco???

o man k fala 2 vezes


Tudo bem contigo, sempre encontaste o caminho para «casa».