quinta-feira, fevereiro 28, 2008

quarta-feira, fevereiro 27, 2008

Um Gesto de altruismo, que gesto tão bonito!!!



Há gestos que nos sensibilizam, que nos deixam contentes, porque há pessoas, que tal como nós, partilham do nosso gosto pela música filarmónica, e pelas associações que dela fazem parte.
Esta história que eu vou transcrever podia-se ter passado na nossa banda, felizmente há exemplos de generosidade para com a nossa associação, no entanto estes têm ficado no anonimato.

Mas esta história passou-se na Covilhã...

"Mecenas apoia a Banda depois de ler Jornal do Fundão"


A Banda da Covilhã foi contemplada com um cheque de cinco mil euros para aquisição de instrumentos musicais de um mecenas natural da Covilhã. O «Jornal do Fundão» esteve na origem deste caso de apoio invulgar e singular no quadro da história da popular instituição da cidade. Na sequência de uma recente entrevista concedida ao nosso jornal pelo professor da UBI Eduardo Cavaco, também director artística da banda e eleito, a semana passada, presidente da associação, o covilhanense Luís Pimentel, que desempenha importantes funções directivas no casino Sol verde, promoveu uma inédita e relevante iniciativa visando contribuir para o desenvolvimento da conhecida filarmónica da sua terra que, nos últimos tempos, vive uma notável dinâmica actividade.
Sensibilizando com uma entrevista do «JF», Luís pimentel contactou Eduardo Cavaco e convidou-o para o seu aniversário. «qual não foi o meu espanto, nem queria acreditar no que estava a passar, sem me conhecer, só da entrevista, comunicou-me que no dia 04 de Janeiro fazia 60 anos e que não queria receber prendas, iria propor aos seus familiares e amigos que antes dessem um verba para apoiar a Banda da Covilhã no seu Projecto de reequipamento instrumental 2007-2010», conta numa carta enviada ao «JF» o responsável da banda. Em Lisboa conheceu pessoalmente o aniversariante, sua família e convidados. No final do Jantar recebeu das mãos do próprio um cheque de 5000 euros.
O Presidente e Maestro da banda da Covilhã realça que nos dias de hoje são poucos os exemplos como este. Alegro-me por ver que afinal, ainda existem pessoas que de uma forma humilde e generosa se associam a uma causa: A banda da Covilhã e o seu projecto. A assembleia geral da Banda aprovou, por unanimidade, a proposta para sócio honorário. (...)"

Fonte Jornal do Fundão nº 3210 de 21 de Fevereiro de 2008


O Poder da Comunicação!

domingo, fevereiro 24, 2008

A Propósito....



Como é sabido a nossa banda participou, em Palmeira de Faro, num concerto de solidariedade, organizado pelo Rotary club de Esposende, para com o Fórum de Esposende empenhado na nobre tarefa de instalar o Museu Marítimo de Esposende no edifico de socorros a náufragos.
transcrevo agora uma noticia do Jornal Farol de Esposende que nos dá uma imagem do que lá se passou:

"Casa cheia em Palmeira"

" Decorreu no passado dia 2 de Fevereiro o primeiro espectáculo de angariação fundos em Favor do Museu Marítimo de Esposende
O Salão paroquial Palmeira, inaugurado há cerca de um mês, encheu-se para a actuação da Banda de Antas e de Bel e Ema Viana, que interpretaram três temas e foram ovacionadas de pé pelo muito público presente na sala, a provar que a prata da casa também brilha. A somar à actuação das duas irmãs, nota de relevo para o desempenho da banda de Antas, dirigida com habitual mestria por Valdemar Sequeira.
(...)

No final da Festa, como referiu o presidente do RCE, o balanço foi positivo e a iniciativa saldou-se por um franco sucesso. O Presidente do Fórum de Esposende, Fernando Ferreira, salientou o carácter altruísta com que todos participaram e deixou um encarecido agradecimento ao RCE, à Paroquia de Palmeira de Faro, na pessoa do Padre Armindo, à Banda de Antas e à Bel e Ema Viana"

Fonte: Jornal Farol de Esposende nº 379 de 08 de Fevereiro de 2008.

Serve este Post para voltar às minhas crónicas neste blog.
Apesar de já não ser da direcção desta banda, e depois de um período de reflexão entendo continuar a dar o meu contributo aqui neste sitio,e outras situações em que seja preciso, ainda que seja de uma forma descomprometida.
Nas minhas Crónicas falarei da nossa banda, e das outras, de música, de outros assuntos que nos interessam, procurando ser imparcial e não interferir no trabalho de ninguém. Assim também ajudo a Manuela, que tem aguentado este barco sozinha!